Caminhos do Aprender: UNICEF, MEC e Undime pesquisam 26 municípios brasileiros e identificam alguns dos fatores que levaram à melhoria do Ideb entre 2005 e 2007.

Brasília, 20 de julho – O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), o Ministério da Educação (MEC) e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgaram hoje a publicação Caminhos do Direito de Aprender: Boas Práticas de 26 Municípios que Melhoraram a Qualidade da Educação.

A publicação faz uma análise da trajetória que 26 municípios – um de cada Estado – empreenderam para conquistar importantes avanços no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) entre 2005 e 2007. Com populações variando de 3.814 (Pejuçara, RS) a 720.070 habitantes (Campo Grande, MS), as cidades selecionadas para o estudo são representativas da realidade e da diversidade brasileira.

O estudo foi feito entre outubro de 2008 e março de 2009 por uma equipe composta por 16 pesquisadores que visitaram as escolas e entrevistaram dirigentes municipais de educação, professores, alunos, pais, funcionários, coordenadores pedagógicos e parceiros das redes de ensino. As entrevistas sempre se iniciavam com uma pergunta: “A que fatores você atribui o avanço do Ideb que o seu município obteve?” Com base nela, seguiam outros questionamentos com o objetivo de detalhar o que desencadeou os progressos.

A pesquisa foi uma iniciativa do UNICEF e da Undime, em parceria com o MEC e o Inep. Além de ter o Ideb dos anos iniciais do Ensino Fundamental, os municípios selecionados para a pesquisa precisavam estar entre os 5% que mais avançaram no índice de 2005 para 2007 ou constar entre os 20 municípios de maior Ideb em 2007 e ter, no mínimo, três escolas na rede (entre urbanas e rurais). Para dar conta da diversidade brasileira, um município de cada um dos 26 Estados participou da pesquisa. Outra variável, como já dito, foi o tamanho da população. Foram analisados municípios de todas as faixas populacionais.

Desde 2006, UNICEF, Undime, MEC e Inep têm realizado pesquisas para investigar o que está sendo feito de norte a sul do País para assegurar a todas as crianças (e a cada uma delas) o direito de aprender. Diferentemente dos estudos anteriores, Aprova Brasil, de 2006, e Redes de Aprendizagem, de 2008, que identificaram primeiro as escolas e, depois, as redes de ensino que se destacaram pelo bom desempenho, o foco de Caminhos do Direito de Aprender foi o processo. O objetivo do estudo foi identificar práticas e ações que contribuíram para os avanços.

Em todos os estudos, os avanços foram alcançados não por um fator isolado, mas por um conjunto deles.

Veja a seguir as principais conclusões da pesquisa:

* Todas as redes de ensino analisadas atribuíram ao resultado do Ideb 2005 parte do seu progresso em 2007. A partir do Índice de 2005, os municípios se organizaram para enfrentar a realidade e transformá-la e melhorar a educação em suas escolas.
* Em 24 dos 26 municípios analisados, a formação dos professores foi considerada um dos fatores mais importantes para o sucesso das redes. Os municípios com melhores resultados apresentaram taxas superiores a 80% dos professores graduados.
* Como a escola de tempo integral ainda é uma realidade muito distante para a grande maioria dos municípios, mais de 70% das redes pesquisadas têm adotado, como alternativa, atividades de apoio pedagógico como o reforço escolar.
* No que diz respeito ao ambiente de aprendizagem, dos fatores identificados como mais representativos pela pesquisa, dois estão relacionados diretamente aos professores. O perfil dos profissionais foi apontado como fator de avanço em 10 municípios, e em outros 12, como condição favorável à melhoria do Ideb. Já a existência de um ambiente propício à colaboração e à troca de experiências foi mencionado como fator de avanço em seis dos municípios pesquisados e como condição favorável em 11 deles – o que corresponde a 66% da amostra.
* O relacionamento entre família e escola também está em pauta em praticamente todos os municípios analisados.

Como nos estudos anteriores, as redes de ensino que participaram da pesquisa não creditaram seus avanços a fórmulas complexas. Possivelmente, muitos dos caminhos encontrados estão sendo percorridos por outros municípios do País. Para inspirar outras redes a dar passos cada vez mais largos em direção à garantia do direito de aprender, a publicação traz ainda diversos quadros intitulados Na trilha das boas práticas, com experiências pontuais que, de acordo com os entrevistados, contribuíram para os avanços nos municípios analisados.

Fonte: Envolverde

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone